Contrata-se empreendedores

Atualmente é crescente o número de pessoas que decidem encaminhar sua carreira ao empreendedorismo. Seja por acreditarem ter o perfil, seja por identificarem uma oportunidade ou até mesmo pela crise econômica que acaba gerando uma necessidade.

Junta-se a isso muitas vezes a frustração de um trabalho pouco criativo ou mesmo uma experiência desagradável em uma empresa ou setor, que o profissional logo pensa que empreender é o caminho. Discussões a parte de se essa é ou não uma boa alternativa a seguir, o que tenho visto de forma crescente, principalmente em empresas da nova economia e que tem um negócio que clama por inovação constante é a busca por profissionais empreendedores.

Isso mesmo, o mercado de trabalho está repleto de anúncios “Contrata-se empreendedores” … portanto é preciso saber identifica-los.

Empresas de nova economia, tecnologia, startups e que buscam profissionais com olhar de dono, tem crescido e tido dificuldades para encontrar candidatos com esse perfil, ficando as vezes, por meses com estas oportunidades em aberto.

Mas é possível ter um perfil empreendedor e buscar um emprego em uma empresa ou é imprescindível que eu abra a minha empresa para ser realizado profissionalmente? A resposta é: DEPENDE.

Uma pessoa com perfil empreendedor tem uma necessidade de ver a sua ideia colocada em prática. Ela tem o desejo de implementar aquilo que ela acredita, e assumir os riscos sobre isso. A vantagem para a empresa que contrata um profissional empreendedor é contar com alguém que tem ideias próprias, que gosta de ter a liberdade para criar, desenvolver soluções e produtos e que possivelmente precisará de pouca supervisão para isso.

Enquanto empresa, você vai precisar ser flexível com este profissional, liderar com algum grau de liberdade e não cercear essa mente criativa. Mas isso pode representar um risco para a Organização? Pode, e para eliminar esse risco você deve mapear com precisão os valores, propósito e o grau de identificação deste profissional com o que a empresa faz. O empreendedor tem uma necessidade visceral de se identificar com o negócio da empresa. É por isso que muitas vezes o caminho que ele busca é o de abrir o seu próprio negócio e não avalia bem tudo o que envolve empreender.

O profissional que já empreendeu ou que se identifica com essa atividade, por vezes tem receio de se expor ao mercado de trabalho com medo dos estereótipos que possam acompanha-lo. Neste ponto existem questões de ambos os lados: por parte da empresa a dúvida que paira é se esse profissional não será excessivamente indisciplinado e dono de seu nariz, desobedecendo políticas e normas. Outro ponto é se a empresa não será somente um trampolim para o que ele realmente quer.

Por parte do profissional, o que pesa é como ele será visto numa entrevista considerando que ele quer ter espaço para empreender suas ideias. Caso já tenha sido empreendedor, quais os impactos disso para a busca de um emprego e se ele não será taxado como alguém que fracassou.

Eu acredito que a resposta é simples, a transparência é tudo no estabelecimento de uma nova relação. Exponha (enquanto empresa ou profissional) as suas expectativas, receios e verdades, e o que poderá ocorrer é algo sensacional. Pode haver uma identificação mútua!

Realmente é importante que tanto profissional quanto empresa estejam “se buscando” pelos motivos certos. O empreendedor vai precisar de espaço para colocar a sua criatividade em ação, mas também precisará adequar-se às políticas desta empresa. A Organização ao contratar um profissional com esse perfil, deve estar aberta para uma atitude mais desbravadora e independente. Cercear as ideias desse profissional poderá ser o caminho mais curto para perdê-lo.

A dica que fica é:

  • EMPRESA: Avalie com calma se esse é o estilo de profissional que você quer TER e dê condições para que ele possa SER.
  • PROFISSIONAL: avalie se o seu desejo de empreender tem a ver com SER criativo e implementar e desenvolver as suas ideias ou se reside em TER um negócio próprio e direcione seu foco para o lugar certo.

O mercado de trabalho mudou, os profissionais e empresas estão em transformação, então as velhas respostas não irão responder as estas novas perguntas! Mostre-se.

Você pode fazer outras reflexões interessantes em: http://www.protalent.com.br/nem-tudo-sao-flores/

 

Por Regiane Favaro